Sindicato da Ind√ļstria de Funilaria e Pintura do Estado de S√£o Paulo
‚ÄúRepresenta√ß√£o pra valer‚ÄĚ
+55 (11) 96763-4537

Fórum, Tópico

Voltar Fórum
COMO DEVEMOS CALCULAR O CUSTO DO VALOR HORA EM NOSSA OFICINA?
Data inicial:08/09/2015
Data finalização:08/11/2015
Sabemos o quanto é importante o valor hora de trabalho. Assim, saber como calcular o valor pode determinar o sucesso ou o fracasso de uma empresa, principalmente, quanto envolve seguradoras. Vamos debater aqui como o empresário deve fazer para calcular o valor de mão obra.

Nome: Thiago dos Santos
Nivel:    Usu√°rio
Data: 23/10/2015
Na empresa onde trabalho temos sim o controle sobre custo fixo, previs√£o do vari√°vel e valor hora/trabalho de cada pessoa do operacional, mas como eu disse num coment√°rio passado, infelizmente nosso n√≠vel de rotatividade na parte de funcion√°rios da prepara√ß√£o e pintura est√° alto. Notamos que cada novo colaborador que se integra √† empresa procura se alinhar ao nosso perfil mas vem com v√≠cios de trabalho e isso as vezes aumenta o tempo de servi√ßo. Por exemplo, tivemos que trocar um funcion√°rio pintor e o que entrou em seu lugar manteve a qualidade mas demorava mais tempo para fazer o mesmo servi√ßo. J√° que n√£o temos nada al√©m do conhecimento emp√≠rico para acompanhar o trabalho dele temos avaliado apenas o resultado e esses est√£o satisfat√≥rios, mas nos preocupamos pois ao fazer as contas, se tiv√©ssemos cobrado por hora trabalhada ter√≠amos diminu√≠do muito nossa margem ou deixado um valor muito alto e talvez perder o cliente. Como devemos agir nessas situa√ß√Ķes?
Nome: Thiago dos Santos
Nivel:    Usu√°rio
Data: 23/10/2015
Na empresa onde trabalho temos sim o controle sobre custo fixo, previs√£o do vari√°vel e valor hora/trabalho de cada pessoa do operacional, mas como eu disse num coment√°rio passado, infelizmente nosso n√≠vel de rotatividade na parte de funcion√°rios da prepara√ß√£o e pintura est√° alto. Notamos que cada novo colaborador que se integra √† empresa procura se alinhar ao nosso perfil mas vem com v√≠cios de trabalho e isso as vezes aumenta o tempo de servi√ßo. Por exemplo, tivemos que trocar um funcion√°rio pintor e o que entrou em seu lugar manteve a qualidade mas demorava mais tempo para fazer o mesmo servi√ßo. J√° que n√£o temos nada al√©m do conhecimento emp√≠rico para acompanhar o trabalho dele temos avaliado apenas o resultado e esses est√£o satisfat√≥rios mas nos preocupamos pois ao fazer as contas, se tiv√©ssemos cobrado por hora trabalhada ter√≠amos diminu√≠do muito nossa margem ou deixado um valor muito alto e talvez perder o cliente. Como devemos agir nessas situa√ß√Ķes?
Nome: Thiago dos Santos
Nivel:    Usu√°rio
Data: 23/10/2015
Na empresa onde trabalho temos sim o controle sobre custo fixo, previs√£o do vari√°vel e valor hora/trabalho de cada pessoa do operacional, mas como eu disse num coment√°rio passado, infelizmente nosso n√≠vel de rotatividade na parte de funcion√°rios da prepara√ß√£o e pintura est√° alto. Notamos que cada novo colaborador que se integra √† empresa procura se alinhar ao nosso perfil mas vem com v√≠cios de trabalho e isso as vezes aumenta o tempo de servi√ßo. Por exemplo, tivemos que trocar um funcion√°rio pintor e o que entrou em seu lugar manteve a qualidade mas demorava mais tempo para fazer o mesmo servi√ßo. J√° que n√£o temos nada al√©m do conhecimento emp√≠rico para acompanhar o trabalho dele temos avaliado apenas o resultado e esses est√£o satisfat√≥rios mas nos preocupamos pois ao fazer as contas, se tiv√©ssemos cobrado por hora trabalhada ter√≠amos diminu√≠do muito nossa margem ou deixado um valor muito alto e talvez perder o cliente. Como devemos agir nessas situa√ß√Ķes?
Nome: Thiago dos Santos
Nivel:    Usu√°rio
Data: 23/10/2015
Na empresa onde trabalho temos sim o controle sobre custo fixo, previs√£o do vari√°vel e valor hora/trabalho de cada pessoa do operacional, mas como eu disse num coment√°rio passado, infelizmente nosso n√≠vel de rotatividade na parte de funcion√°rios da prepara√ß√£o e pintura est√° alto. Notamos que cada novo colaborador que se integra √† empresa procura se alinhar ao nosso perfil mas vem com v√≠cios de trabalho e isso as vezes aumenta o tempo de servi√ßo. Por exemplo, tivemos que trocar um funcion√°rio pintor e o que entrou em seu lugar manteve a qualidade mas demorava mais tempo para fazer o mesmo servi√ßo. J√° que n√£o temos nada al√©m do conhecimento emp√≠rico para acompanhar o trabalho dele temos avaliado apenas o resultado e esses est√£o satisfat√≥rios mas nos preocupamos pois ao fazer as contas, se tiv√©ssemos cobrado por hora trabalhada ter√≠amos diminu√≠do muito nossa margem ou deixado um valor muito alto e talvez perder o cliente. Como devemos agir nessas situa√ß√Ķes?
Nome: 
Nivel:    Usu√°rio
Data: 13/10/2015
Essa quest√£o da tabela temp√°ria, de maneira te√≥rica, minimizaria a quest√£o das diferen√ßas produtivas e or√ßament√°rias. Apesar de trabalharmos apenas com clientes particulares, em nossa empresa sabemos que as seguradoras calculam os valores justamente em cima de tabelas temp√°rias, que por sua vez s√£o obtidas com √≥rg√£os e empresas bem conceituadas e de grande prest√≠gio como o CESVI. Um outro conceito de qualidade do sistema japon√™s √© que "qualidade = padr√£o" mas como conseguir algum padr√£o de c√°lculo se essas informa√ß√Ķes tabeladas ficam monopolizadas nas m√£os de poucos e disponibilizadas a custos nada baixos? Claro que esse √© apenas uma das faces do controle de custos e gastos mas tem vital import√Ęncia perante as outras informa√ß√Ķes.
Nome: Newton Masteguin
Nivel:    Usu√°rio
Data: 02/10/2015
Agora sim foi tocado um ponto que eu considero muito importante e estava aguardando algu√©m se manifestar ! Depois de calculado o custo/hora a pergunta seguinte √©: O QUE PRODUZO NESSA HORA? Existem alguns sistemas como o √Ērion da Cesvi e o Audatex que tem alguns par√Ęmetros de horas por tipo de reparo mas, a grande quest√£o √© saber o seguinte: esse valor/hora atribu√≠do ao tipo de servi√ßo e, o n√ļmero de horas padronizado √© suficiente para remunerar o servi√ßo efetuado? Ou seja: conseguimos ter lucro com os servi√ßos? Quanto √† outra quest√£o: a rotatividade e as diferentes velocidades de cada produtivo. Vamos por partes: alta rotatividade pode significar desmotiva√ß√£o ou um processo de trabalho muito ruim causados por falta de planejamento ou sistema de produ√ß√£o desbalanceado Imaginem uma linha de montagem de ve√≠culos onde s√£o aplicados 4 princ√≠pios b√°sicos da filosofia enxuta ( sistema Toyota de Produ√ß√£o ) 1) Fluxo : para garantir que a produ√ß√£o flua sem obst√°culos e que as coisas aconte√ßam na hora certa, na qualidade certa, na quantidade certa e, no tempo certo ( principio do just in time) 2) Ritmo : qual a velocidade com que devo produzir - imaginem uma equipe de remo: o que √© melhor: cada um fazer um esfor√ßo enorme para remar e, com isso o barco ficando desequilibrado ou TODOS APLICAREM a mesma for√ßa e, no mesmo ritmo? Outra analogia: um conjunto musical: cada qual toca no seu ritmo ou num s√≥ ritmo? 3) Produ√ß√£o puxada: existe uma diferen√ßa enorme entre empurrar a produ√ß√£o porta √† dentro da oficina e, fazer com que as coisas aconte√ßam dentro do previsto e puxar a produ√ß√£o. √Č igual ao enchimento de uma lingui√ßa: quando empurra muito, acaba explodindo a embalagem ! 4) Zero defeito: significa a n√£o toler√Ęncia aos defeitos e criar pontos de checagem para eliminar os retrabalhos assim como os desperd√≠cios. Tudo isso somado, temos uma produ√ß√£o balanceada, no ritmo adequado, com os esfor√ßos divididos e maior produtividade com o respectivo lucro! Se n√£o h√° efici√™ncia no sistema produtivo n√£o adianta procurar culpados!
Nome: 
Nivel:    Usu√°rio
Data: 29/09/2015
Atualmente a empresa em que trabalho √© focada em servi√ßos particulares. Temos um certo controle e no√ß√£o do nosso custo total mas infelizmente estamos passando por um per√≠odo de alta rotatividade de funcion√°rios e cada um tem uma diferen√ßa produtiva que afeta nossa or√ßamenta√ß√£o. Isso destaca a import√Ęncia de dados b√°sicos sobre os tempos de servi√ßos considerados como os ideais. Dispomos de tabela temp√°ria para nossa √°rea de mec√Ęnica e em cima dela temos mais confian√ßa e conforto nos nossos or√ßamentos mas n√£o temos nada similar para a √°rea de funilaria e pintura. Existe algum lugar onde possamos pesquisar esses dados atualizados e referentes √† nossa regi√£o (S√£o Paulo capital)?
Nome: Luciano Dantas
Nivel:    Usu√°rio
Data: 14/09/2015
Newton, vc est√° considerando 22 dias √ļteis e 8 horas di√°rias, 176 horas m√™s, com uma ociosidade de 20%, ou seja, 140,8 hora √ļteis/m√™s por produtivo. Partindo das 220 horas/m√™s, particularmente tomei como base 150 horas √ļteis/m√™s, considerando que a nossa oficina compensa os s√°bados e dispensa os funcion√°rios neste dia, ou seja, trabalhamos de segunda a sexta, cumprindo as 44 horas semanais, com 37,5 horas √ļteis na semana. √Č certo que existem algumas variantes de oficina para oficina, como localiza√ß√£o, material utilizado, regime fiscal, etc... - que geram custos diferentes. Tenho como certo que os tipos de custos para todas as oficinas s√£o exatamente os mesmos. Baseado nisto, existe alguma planilha de c√°lculo onde podemos incluir nossos valores espec√≠ficos - material, custo m2 loca√ß√£o, sal√°rios, insumos, despesas fixas e vari√°veis e demais, onde possamos extrair o custo/hora por departamento da empresa? Como disse inicialmente, fizemos alguns ensaios e criamos uma planilha, mas sei que carece de uma an√°lise mais profunda e que seja criticada por um especialista, contudo, chegamos a valores muito al√©m dos praticados pelas cias seguradoras e confesso que isto foi assustador. Outra quest√£o que venho pensando, √© sobre um valor vari√°vel para todos os produtivos com base nos resultados obtidos pela empresa. Isto √© poss√≠vel e vi√°vel? A inten√ß√£o √© preservar percentualmente o peso que a folha exerce sobre as opera√ß√Ķes ou, ao menos, tentar equivaler este custo frente as flutua√ß√Ķes de faturamento.
Nome: wesley
Nivel:    Usu√°rio
Data: 10/09/2015
√Č isso ai mesmo, n√£o esquecer da mao de obra mais encargos que tamb√©m √© despesa, depois ha detalhes como deprecia√ß√£o, provis√Ķes, etc mas a maioria das oficinas n√£o tem no√ß√£o nem do b√°sico...
Nome: 
Nivel:    Usu√°rio
Data: 08/09/2015
Vamos debater com um especialista o tema. Somente assim, o setor vai saber o quanto cobrar
Nome: IRM√ÉOS FREZZA LTDA
Nivel:    Usu√°rio
Data: 08/09/2015
Acredito que o material empregado, assim como a garantia aplicada contam muito, a localização acredito de nada interferir, porém com relação a galpão próprio e alugado ? Aproveitando a deixa, qual o valor médio dos funcionários fixos, e qual a média dos comissionados ? Antecipadamente, obrigado, estou ansioso para saber como temos que fazer.
Nome: RICARDO FERRARI FERRET JUNDIAI
Nivel:    Usu√°rio
Data: 08/09/2015
gostaria de saber se devemos colocar no calculo somente as horas uteis trabalhadas ja descontados uma porcentagem de horas perdidas, isto é, aqueles momentos que vc sabe que o produtivo vai parar para beber uma agua, etc etc
Nome: Monica e Elaine
Nivel:    Usu√°rio
Data: 08/09/2015
gostaríamos de saber qual procedimento correto de fazer o calculo.

22 registro(s) encontrados em 2 p√°gina(s)

[<<] [<]     01 - 02     [>] [>>]

Rua Mossamedes, 115, sala 6 - Tatuapé - São Paulo, SP - CEP 03325-000
Juridico (11)2611-0298       √Ārea t√©cnica (11)4801-6050       Delegacia geral (11)2611-0316       Financeiro (11)3539-1829       Geral(11)3791-8096
Financeiro: financeiro@sindifupi.org.br